quarta-feira, 12 de maio de 2010

Correr!


Era relativamente tarde, essa hora eu já deveria estar dormindo, teria que levantar cedo, como toda a semana de segunda a sexta, mas eu não estava de baixo das cobertas. Eu tinha fujido e corria sem rumo, sem direção. Meus pés descalços sentiam a dor de pedras de baixo deles, a suave grama gelada, ou pequenos gravetos que encontravam-se no meio do caminho. Ao meu lado apenas o verde dos matos altos ou de pequenas arvores que tampavam minha visão ao meu redor. Eu corria rápido, podia escutar o som da minha própria respiração, estava cansada, eu sabia, mas não queria parar, não podia parar, era como se o Mundo explodisse atrás de minhas costas e eu tivesse que ir rápido, fujir rápido para que aquela explosão não chegasse até mim, mas ao mesmo tempo sabia que essa "explosão" chegaria até mim, e o único motivo deu correr sem parar era pelo fato inútil de tentar adiar a morte, mera covardia! Eu fujia de tudo e de todos, tentava chegar num ponto de chegada, onde em minha imaginação seria o fim do mundo, o final seria um precipício para o infinito, se eu me jogasse de lá, o que eu provavelmente iria fazer não chegaria tão fácil a morte, se olhasse de lá de cima não veria um fim tão próximo. Eu não sabia quanto tempo mais teria que correr, afastar com as mãos galhos e plantas que atravessavam o meu caminho, começava a ficar exausta meu vestido leve e estampado nem parecia tão leve assim contando com o cansaço em que me encontrava. Eu só queria chegar! Uma chegada que nem sabia de fato se chegaria, ou se teria uma chegada, mas de uma coisa eu tinha certeza, se eu não fosse rápida e determinada, se não soubesse fazer as escolhas certas, que nessa ocasião tinha poucas, mas a meu ponto de vista complicadas... a bomba que fora jogada no meu passado e que me perseguia agora, em meu presente iria me matar no meu futuro, correr era a unica escolha que eu podia fazer agora, se eu conseguisse fazer tudo da maneira certa dessa vez eu ainda teria alguma chance de ser feliz, não como antes, é claro! Mas ainda teria alguma chance de sorrir de verdade e ao lado das pessoas que eu amava, ou pelo menos, as que restaram!

3 Opiniões Formadas:

* Luria Corrêa , disse...

ooi , :*

Gostei muito do texto ,super complexo . Adorei teu blog , seguindo. ;)

http://luriacorreamartins.blogspot.com

Beijos *-*

Bia disse...

MMarah!

Dryka Sales disse...

adorei seu blog! *-*